Sobre morar na Colômbia – Tudo o que você precisa saber

Oi, pessoas!

Na semana passada, compartilhei com vocês os links organizados de todos os textos que já escrevi aqui no blog sobre morar na Colômbia. Prometi que voltaria hoje para fazer um resumo do que, em minha opinião, é necessário ter em mente – e fazer – se você deseja se mudar para esse país. Além disso, meu objetivo é indicar os caminhos oficiais que você pode seguir para ter informações atualizadas sobre os processos burocráticos necessários.

Como falei antes, tudo o que já compartilhei aqui foi com base nas minhas próprias experiências, que aconteceram há, no mínimo, 5 anos. Embora eu acredite que essas informações ainda possam ajudar em certa medida, é necessário saber que algumas coisas podem mudar com o passar do tempo, assim como pode haver diferenças, dependendo do estado/região. Por isso, se vocês observarem, lá nas minhas primeiras publicações sobre esse assunto, a recomendação que sempre dou é: procure as fontes oficiais de informação. Sei que pode dar um pouco de trabalho, mas também é a maneira mais segura de garantir que todos os processos serão feitos direitinho. Lá no final da publicação vou deixar os principais links que podem ajudar.

Então vamos lá. Decidi dividir essa publicação por temas.

Antes da mudança

1 – Aspectos subjetivos

Algumas pessoas se mudam porque receberam uma boa proposta de trabalho, outras porque querem simplesmente sair do Brasil, outras porque querem estudar algo específico etc. Não importa o motivo, antes de se mudar para qualquer lugar, minha recomendação é que, além dos aspectos objetivos e materiais, como dinheiro e burocracias, sejam analisados com MUITA atenção e sinceridade os aspectos subjetivos envolvidos em uma mudança. Por exemplo:

  • Você é muito apegado à sua família?
  • Tem facilidade para fazer novas amizades e se socializar?
  • Se não vai com uma proposta de trabalho, está preparado psicologicamente para talvez demorar a conseguir um trabalho na sua área de atuação?
  • Está aberto para lidar com o diferente (comida, cultura, idioma, costumes)?

Essas perguntas são um exemplo, mas o que quero dizer é que se mudar de país envolve muito mais que vistos e casa para morar, tem uma carga emocional envolvida, um processo de adaptação e, por que não dizer, até de luto, por deixar toda sua vida anterior para trás.

Não quero dizer que os aspectos subjetivos devam ser impeditivos para a mudança, por exemplo: “se você é apegado demais à sua família não pode se mudar”. Não é isso. Mas precisa considerar que essa questão poderá ser uma dificuldade em sua adaptação e você precisa, de algum modo, se preparar para isso. No caso desse exemplo, pode ser fazendo terapia, ou se preparando financeiramente para visitar a família de tempos em tempos.

2 – Organização

Passando para o tema mais objetivo e prático de uma mudança, minha recomendação principal é: SE ORGANIZE.

Os processos burocráticos exigem vários documentos, atenção às datas, envios de recibos, enfim, são muitos detalhes importantes que você não quer perder, porque pode implicar na recusa do seu visto ou até mesmo em você ter que recomeçar todo o processo, gastando mais dinheiro. Nesse sentido, minha sugestão de organização é:

  • Faça uma lista de TODOS os documentos que você vai precisar, no modelo “check list”, para marcar conforme obtenha o documento.
  • Lembre-se que o primeiro documento que você precisa para solicitar um visto é o PASSAPORTE! Então, se você não tem um passaporte, comece por aí.
  • Coloque um prazo para si mesmo para a obtenção desses documentos. É interessante que eles tenham uma data próxima de emissão.
  • Apenas após ter todos os documentos em mãos, comece o processo de solicitação do visto.
  • Guarde em um envelope todos os recibos de pagamento que fizer, especialmente os de estudo e pagamento do visto, que precisarão ser enviados/apresentados.
  • Faça uma segunda lista com tudo o que você precisará fazer após chegar na Colômbia, tanto dos aspectos burocráticos quanto da sua organização pessoal. Isso vai te dar mais segurança quando chegar lá, já tendo em mente e planejado os próximos passos.

Do ponto de vista não burocrático, minhas sugestões são:

  • Se possível, aprenda o idioma antes de ir. Você pode aprender quando chegar lá, mas ir pelo menos com um nível básico já vai fazer diferença. Não precisa fazer um curso mais aprofundado de espanhol, se não puder. Existe muito conteúdo gratuito na internet que pode ajudar.
  • Se possível, visite o lugar que você pretende morar antes de decidir se mudar definitivamente. Sei que isso não é simples, porque envolve tempo e dinheiro, mas, se puder, é interessante para verificar se é, de fato, um lugar no qual você consegue se adaptar. Se não puder, pesquise o máximo que conseguir sobre esse lugar.

Por fim, duas coisas que considero necessárias:

  • Se você não vai se mudar por razões de trabalho e, portanto, não terá, a princípio, o benefício de assistência à saúde, é importante ir com um seguro saúde contratado ou com um dinheiro a mais no seu orçamento para contratar uma EPS por lá (que é como um convênio médico). A Colômbia não possui um serviço de saúde público e gratuito como nós temos no Brasil. Já falei sobre isso aqui. Por isso, caso você tenha qualquer imprevisto de saúde, se não estiver inscrito em uma EPS ou não tiver um seguro, terá que pagar os custos de forma particular o que, talvez já imagine, não é barato.
  • Busque um lugar para ficar antes de ir, que seja um endereço fixo onde você vai permanecer pelo menos durante o primeiro mês. Isso pode ser importante no seu processo de visto, e será importante quando for fazer sua cédula de extranjería (seu RG de estrangeiro) e até para conseguir algum emprego, se for o caso. Pode ser a casa de um conhecido, um apartamento alugado no AirBnb, talvez um quarto numa pensão ou um hostel, não importa, mas é interessante que tenha um endereço fixo.

Depois da mudança

1 – Burocracias

  • Não pense que a burocracia acaba quando você tem o visto colado no passaporte. Assim que chegar na Colômbia, você tem um prazo de 15 dias para procurar uma unidade de migração (vou deixar o link no final, junto com os outros) para fazer sua cédula de extranjería. Não perca esse prazo!
  • Para fazer a cédula de extranjería, além do passaporte com o visto, você vai precisar preencher um formulário on-line (vou deixar o link no final) e pagar o valor correspondente, apresentando o recibo de pagamento. Consultei aqui e o valor atual (2022) é de $217.500 pesos (isso dá aproximadamente R$ 263 na cotação atual).
  • Tenha sempre em mente a data de validade do visto e com qual antecedência precisará renová-lo, ou fazer outro, como o de residente.
  • Se pretende exercer sua profissão na Colômbia e não foi para o país já contratado por alguma empresa, é importante que você considere fazer a revalidação do seu diploma, isso aumentará suas chances. Sobre esse processo, infelizmente, não tenho nenhuma informação, pois não cheguei a revalidar meu diploma por lá.

2 – Outras recomendações

Além da parte burocrática, que você precisa ter organizada e em dia para se manter de forma legal no país, tenho algumas recomendações que podem te ajudar na fase de adaptação e, eventualmente, na conquista de um trabalho.

  • Aprenda espanhol! Acredite em mim, por mais semelhanças que nosso idioma possa ter com o castelhano, não é, nem de longe, “quase a mesma coisa”. Para uma viagem de férias é possível se virar perfeitamente bem com o portunhol ou com o português, mas, para morar no lugar, é essencial aprender o idioma local. Isso vai te ajudar a ter mais segurança, a se socializar e, principalmente, vai te ajudar no trabalho ou a conseguir um emprego, se você for sem nenhum. Como falei anteriormente, não precisa sair do Brasil sabendo tudo, pode até ir sem saber nada, mas precisa aprender quando chegar lá, seja se matriculando em uma escola, fazendo aulas particulares ou aprendendo na prática (muita gente aprende assim), é essencial.
  • Não se feche em um círculo só de brasileiros. Dependendo do seu destino, é possível que você encontre vários brasileiros morando na mesma cidade e é natural que queira se juntar a eles, fazendo amizades com pessoas que compartilham da sua cultura. Acho que não há problema algum nisso, mas minha sugestão é que não fique somente nesse círculo, pois isso pode te atrapalhar na adaptação da cultura, da língua, dos costumes.
  • Se você vai se mudar sem um trabalho garantido, tenha já um plano para ocupar seu tempo nesse período inicial. Pode ser fazer um curso de espanhol, atuar em um trabalho voluntário, participar de uma igreja, um grupo de dança, o que seja, mas algo que te permita criar relações com outras pessoas, praticar o idioma, ocupar a mente e, quem sabe, até fazer contatos de trabalho.

É isso, acredito que essas são recomendações gerais que podem ser norteadoras do seu processo de mudança e organização, independentemente de quando você se mude.

Sei que quando se está muito animado tudo isso parece chato e cansativo. A gente só quer começar uma nova fase, conhecer coisas novas e já estar em uma posição confortável e segura. Mas TUDO na vida é um processo e tenha a certeza que, com organização e planejamento, será mais fácil enfrentar as dificuldades que podem surgir.

Para terminar essa publicação, como prometi, vou compartilhar alguns links nos quais é possível encontrar informações oficiais sobre todos os processos burocráticos para se mudar para a Colômbia. As informações que você encontra em blogs como o meu, ou em grupos nas redes sociais podem ficar desatualizadas. É muito importante que, caso você tenha qualquer dúvida, recorra às instituições tanto do Brasil quanto da Colômbia, que vão te dar as respostas e orientações corretas.

A seguir, então, os links:

Para o visto Mercosul:

Emissão de certidão de antecedentes criminais – esse documento precisará ser apostilado. Isso deve ser feito em um cartório. Procure o cartório mais próximo de você para informações oficiais e valores. Lembrando que se você fizer o processo de visto já estando na Colômbia, precisará levar esse documento apostilado e, chegando lá, deverá traduzi-lo por meio de tradução juramentada. Se fizer o processo do visto no Brasil, não será necessário traduzir.

Consulados da Colômbia no Brasil – lista de unidades consulares, estados e cidades que atendem, endereço de e-mail e telefone para contato. Recomendo sempre entrar em contato com o Consulado em casos de dúvida sobre a emissão de vistos.

Cancillería (Ministério das Relações Exteriores da Colômbia) – aqui você encontra todas as informações oficiais sobre os vistos. É nesse site também onde deverá preencher o formulário para a solicitação do visto Mercosul ou de qualquer outro. O site está em espanhol e é possível colocar uma versão em inglês.

No site da Cancillería também tem e-mail e telefone para contato e, caso você faça o processo de visto estando na Colômbia, pode entrar em contato com eles para resolver qualquer dúvida.

Para a cédula de extranjería:

Migración Colombia (Ministério das Relações Exteriores) – aqui você encontra os requisitos para fazer a cédula de extranjería (RG de estrangeiro), além de outras informações sobre os custos, tempo de entrega etc.

Formulario Único de Trámites (para fazer cédula de extranjería) – esse é o link para o formulário que deve ser preenchido para solicitar a cédula de identidade. É possível encontrar esse link dentro da parte de requisitos do link anterior, mas coloco aqui para facilitar.

Para o visto de residente:

Após a vigência do visto temporário, você poderá solicitar o visto de residente, como já expliquei nas publicações sobre esse assunto aqui no blog. Os sites oficiais para os documentos necessários, além do da Cancillería (pois o visto será solicitado por ele, assim como foi na primeira vez), são:

Certificado de antecedentes judiciais – esse documento não é o mesmo do Brasil, são seus antecedentes na Colômbia, por isso deve ser emitido pela polícia nacional do país.

Certificado de movimentos migratórios – com os registros de todas as suas entradas e saídas do país.

Reforço que, em caso de dúvida, como nesse processo você já estará na Colômbia, poderá entrar em contato por telefone ou e-mail com a Cancillería (as informações estão no site, que já foi linkado acima).

Pessoas, é só tudo isso! Asseguro a vocês que, nesses canais oficiais, poderão encontrar todas as informações necessárias e atualizadas para seus processos. Foi através deles que tirei todas as dúvidas que precisei na época que fiz meus vistos e todas as informações que já compartilhei aqui saíram desses lugares.

Espero muito que tudo o que há de informação no meu blog – listado na publicação anterior – mais esse resumo aqui ajudem vocês, pelo menos, a se organizarem e saberem por onde começar.

Quem sabe um dia, em outro contexto da vida, eu retome esse assunto por aqui, atualizando tudo e me dedicando mais, como pensava fazer. Até lá, não haverá novas publicações sobre morar na Colômbia aqui no Sarices. Mas continuo por aqui respondendo todas as mensagens que chegarem, tentando ajudar no que estiver ao meu alcance.

Caso você esteja interessado em tirar o visto Mercosul para morar na Colômbia, recomendo também que leia os comentários da minha publicação, porque muita gente, de várias partes do Brasil, acaba contando sua experiência atualizada por lá, o que é bem legal!

Obrigada por lerem tudo até aqui e boa sorte em suas mudanças!

=)


3 comentários sobre “Sobre morar na Colômbia – Tudo o que você precisa saber

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s